4-Xtremes – Parte 53: Uma surpresa desagradável e uma visita à estância de esqui de Portugal

Série: 4-Xtremes – The World Tour

Descanso na Torre.

Para Andrea e Mike há muito mais para descobrir, entre os 0 e os 2000 metros de altitude. Infelizmente, também para sentir, pois Andrea sofreu ferimentos. Mas, no final, tudo está bem na tranquilidade das montanhas de Portugal.


Da última vez, visitamos as profundezas através dos sistemas de cavernas e túneis, desta vez vamos levar-vos até à montanha mais alta em Portugal continental, a "Torre" com quase 2000 metros.

A nossa viagem até lá começa na cidade costeira de Aveiro. Devido à sua magnífica arquitetura de Arte Nova e à sua rede ramificada de canais, também é conhecida como "Veneza de Portugal". A antiga influente metrópole de comércio tornou-se agora numa cidade universitária em flor. Os moliceiros atraem as atenções: coloridos, semelhantes a uma gondola, que circulam nos canais. 

Percorremos cinco quilómetros até à pequena cidade de praia, a Costa Nova, com as suas casas de praia às riscas. Antigamente utilizadas por pescadores, as casas foram limpas e servem hoje como alojamento ou restaurantes.


Devido à sua arquitetura de Arte Nova, Aveiro é também chamado de Veneza de Portugal.
Devido à sua arquitetura de Arte Nova, Aveiro é também chamado de Veneza de Portugal.
Os moliceiros coloridos são um tema fotográfico cobiçado.
Os moliceiros coloridos são um tema fotográfico cobiçado.
A Costa Nova cativa com as suas casas coloridas e praias de sonho.
A Costa Nova cativa com as suas casas coloridas e praias de sonho.
Para fora do Axor e a caminho da aventura de caiaque: Mike explora a barragem.
Para fora do Axor e a caminho da aventura de caiaque: Mike explora a barragem.

Uma placa de aviso de ângulo de sopé.

Depois de regressarmos ao Axor, estamos prestes a arrumar as bicicletas, quando a placa de aviso, com as riscas vermelhas e brancas, se solta da cobertura a dois metros de altura e, com a sua aresta afiada, cai diretamente sobre o meu tendão de Aquiles, deixando uma ferida aberta. Mike coloca rapidamente um curativo de pressão enquanto procuro a clínica mais próxima na internet. Felizmente, não está muito longe e voltamos a pôr-nos em movimento com as bicicletas.

O médico consegue tranquilizar-nos, o tendão de Aquiles não está ferido, é apenas uma ferida aberta e muito dolorosa. Não é o melhor pré-requisito para o nosso próximo destino: a Torre, onde queríamos caminhar.


Os postes são a prova: No inverno, a neve pode atingir uma altura de até dois metros.
Os postes são a prova: No inverno, a neve pode atingir uma altura de até dois metros.
O parque natural da Serra da Estrela apresenta-se acidentado e selvagem – o Axor está no seu elemento.
O parque natural da Serra da Estrela apresenta-se acidentado e selvagem – o Axor está no seu elemento.
O parque natural da Serra da Estrela apresenta-se acidentado e selvagem – o Axor está no seu elemento.
O parque natural da Serra da Estrela apresenta-se acidentado e selvagem – o Axor está no seu elemento.
O parque natural da Serra da Estrela apresenta-se acidentado e selvagem – o Axor está no seu elemento.
O parque natural da Serra da Estrela apresenta-se acidentado e selvagem – o Axor está no seu elemento.
Sem tempo: observatório abandonado no topo da Torre.
Sem tempo: observatório abandonado no topo da Torre.

Diversão ao volante para o Mike e o Axor.

Com as curvas a uma altitude de até 2000 metros, para o Mike e o Axor, espera-lhes o prazer de condução. Mas, antes disso, ainda fazemos um dia de pausa na barragem. Arrefecemos aqui, o pé pode descansar e o Mike explora o lago com um caiaque. 

No dia a seguir, o Axor volta a provar o que vale e atravessa de forma imperturbável os trajetos pitorescos nas alturas. A rota pelo parque natural da Serra da Estrela está marcada com sinais de neve com pelo menos dois metros de altura. Como estão 25 graus nesta altura, mal se consegue imaginar como a área se transforma numa pista de esqui em poucos meses. Talvez tenhamos de voltar a Portugal no inverno. No topo da Torre, espera-nos um observatório abandonado.

 


Passamos vários dias nas montanhas. Devido à onda de calor, são anunciadas fortes trovoadas, por isso procuramos lugares de estacionamento onde o Axor não marque o ponto mais alto. Depois de um verdadeiro espetáculo de trovões, relâmpagos estrondosos e fortes aguaceiros, desfrutamos da vista ao longe e da calma na natureza. Um local adequado para parar de novo antes de partirmos para a nossa rota de verão e outono com sete novos países.


4-Xtremes – The World Tour.

Uma viagem inigualável.

Andrea und Mike Kammermann já estão na estrada há três anos com o seu Axor. "4-Xtremes - The World Tour" é o lema da viagem em que os dois suíços partiram em meados de 2020 - e que partilham com comunidade RoadStars! Mantenha-se atualizado e não perca nenhum dos destinos fantásticos para onde este casal de aventureiros se dirige.

Pode encontrar todas as partes da série "4-Xtremes - The World Tour" aqui.


Fotografia: 4-Xtremes

15 comentários